Estudo inédito com armadilha fotográfica registra 52 mil imagens que permitem traçar a primeira análise global  sobre o declínio de populações de mamíferos

Fotos de três continentes e sete países destacam a importância das áreas protegidas e a abordagem coordenada para a diversidade e a conservação dos mamíferos
Arlington, VA — O primeiro estudo global de armadilhas fotográficas para mamíferos, que documentou 105 espécies em cerca de 52 mil imagens em sete áreas protegidas nas Américas, África e Ásia, foi anunciado hoje por um grupo internacional de cientistas.

As fotografias revelam uma incrível variedade de animais em seus momentos mais inocentes — de um diminuto rato a um enorme elefante africano, além de gorilas, pumas, tamanduás-bandeiras e — surpreendentemente — até mesmo turistas e caçadores.
 
A análise dos dados fotográficos tem ajudado os cientistas a confirmarem uma conclusão fundamental que, até o momento, era compreendida apenas por meio de diversos estudos não coordenados: a perda de hábitat e de pequenas reservas têm um impacto direto e negativo sobre a diversidade e a sobrevivência das populações de mamíferos, principalmente no que diz respeito ao tipo de dieta e tamanho dos animais (animais de pequeno porte e insetívoros são os primeiros a desaparecer), entre outros resultados apontados pelo estudo. A replicação dessas informações em períodos e áreas diferentes é fundamental para compreender os efeitos das ameaças globais e regionais em mamíferos que vivem em florestas tropicais e antecipar as extinções antes que seja tarde demais.

Os resultados do estudo foram publicados no artigo “Estrutura de comunidades e diversidade de mamíferos tropicais: dados de uma rede global de armadilhas fotográficas” (Community structure and diversity of tropical mammals: data from a global camera trap network), no jornal Philosophical Transactions da Royal Society. O estudo foi liderado pelo ecologista Jorge Ahumada, do Programa de Ecologia, Avaliação e Monitoramento de Florestas Tropicais (Tropical Ecology Assessment and Monitoring Network - TEAM) da Conservação Internacional.  Foram pesquisadas áreas protegidas no Brasil, Costa Rica, Indonésia, Laos, Suriname, Tanzânia e Uganda, tornando este estudo não apenas o primeiro estudo global sobre mamíferos com armadilhas fotográficas, mas também o maior do gênero para qualquer classe de animais.

Para coletar os dados, 420 câmeras foram colocadas em diferentes regiões ao redor do mundo, sendo que 60 armadilhas fotográficas foram instaladas em cada local, com uma câmera a cada 2km2, durante um mês. De posse das fotos reunidas entre 2008 e 2010, os cientistas categorizaram os animais por espécie, tamanho do corpo e dieta, entre outras características. Eles descobriram que as maiores áreas protegidas e florestas contínuas tendem a conter três atributos semelhantes:

  1. maior diversidade de espécies
  2. maior variedade de tamanhos corporais, incluindo populações de mamíferos maiores
  3. maior variedade de dietas entre esses mamíferos (insetívoros, herbívoros, carnívoros, onívoros).

“Os resultados do estudo confirmam o que suspeitávamos: a destruição de hábitat está, aos poucos,   minando a diversidade de mamíferos no nosso planeta”, afirma Ahumada.  “Podemos tirar duas conclusões fundamentais desta pesquisa. A primeira é a de que, quanto maior a floresta em que vivem, maior será o número e a diversidade de espécies, tamanhos corporais e a variedade da dieta. E a segunda é a de que alguns mamíferos parecem ser mais vulneráveis à perda de hábitat do que outros: mamíferos que se alimentam de insetos como tamanduás, tatus e alguns primatas, são os primeiros a desaparecer, enquanto outros grupos, como os herbívoros, parecem ser menos sensíveis”.

Entre os locais pesquisados, a Reserva Natural de Suriname Central apresentou o maior número de espécies (28) e a Área Protegida Nacional de Nam Kading em Laos apresentou o menor número de espécies (13). O tamanho do corpo das espécies fotografadas varia de 26 g (cuíca-pequena de Linnaeus, Marmosa murina) a 3.940 kg (elefante africano, Loxodonta africana).

Com cerca de 25% das espécies de mamíferos sob ameaça de extinção e diante da pouca informação quantitativa disponível globalmente, este estudo preenche uma lacuna muito importante noconhecimento dos cientistas sobre a forma como os mamíferos vêm sendo afetados pelas ameaças locais, regionais e globais, como a caça excessiva, a conversão das terras para agricultura e a mudança climática.

“O que torna esse estudo cientificamente inovador é que nós criamos, pela primeira vez, informações comparáveis e consistentes sobre os mamíferos em uma escala global, definindo uma linha de base efetiva para monitorar as mudanças. Usando essa metodologia única e padronizada nos próximos anos, e comparando os dados recebidos, poderemos ver as tendências nas comunidades de mamíferos e realizar ações direcionadas e específicas para salvá-las”, explica Ahumada. Ele acrescenta que, desde 2010, câmeras adicionais foram instaladas em novos pontos (Panamá, Equador, outro local no Brasil, dois locais no Peru, Madagascar, Congo, Camarões, Malásia e Índia), expandindo a rede de monitoramento para um total de17 sítios. “Sem uma abordagem global e sistemática para monitorar esses animais e garantir que os dados cheguem às pessoas que tomam decisões, estamos apenas registrando sua extinção, sem realmente salvá-los”.

Os mamíferos servem como indicadores da saúde do ecossistema e têm papéis importantes na natureza que, por fim, beneficiarão as pessoas, como o controle do crescimento de plantas, a reciclagem de nutrientes e a dispersão de sementes. Por exemplo, alguns cientistas argumentam que a remoção de mamíferos de grande porte por meio da caça excessiva reduz a capacidade das florestas de armazenarem carbono, pois esses animais são responsáveis pela dispersão de sementes de plantas de alta densidade de carbono.  A diminuição da capacidade das florestas de armazenar carbono significa a diminuição da capacidade das pessoas de mitigar os efeitos da mudança climática.

“Esperamos que esses dados contribuam para um melhor gerenciamento das áreas protegidas e a conservação dos mamíferos em todo o mundo, bem como para um uso mais disseminado de estudos padronizados que utilizam armadilhas fotográficas para monitorar esses animais de grande  importância,” conclui Ahumada.

O Programa de Ecologia, Avaliação e Monitoramento de Florestas Tropicais (Tropical Ecology Assessment and Monitoring Network - TEAM) é uma parceria entre a Conservação Internacional, o Missouri Botanical Garden, o Smithsonian Institution e a Wildlife Conservation Society. O estudo foi financiado parcialmente por essas instituições e pela Fundação Gordon & Betty Moore.

Os parceiros locais do estudo são: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), no Brasil, a Conservação Internacional do Suriname, a Organização para Estudos Tropicais, o Museu Tridentino di Scienze Naturali e o Institute of Tropical Forest Conservation.

Veja alguns dados de onde e como o estudo foi feito:

  • Em três continentes: América, África e Ásia
  • Em sete áreas protegidas:
    • Floresta de Bwindi (Uganda)
    • Parque Nacional das Montanhas de Udzungwa (Tanzânia)
    • Parque Nacional de Bukit Barisan Selatan (Indonésia)
    • Área Protegida Nacional de Nam Kading (Lao PDR)
    • Reserva Natural de Suriname Central (Suriname)
    • Manaus (Brasil)
    • Transecto do Vulcão Barva (Costa Rica)
  • 420 câmeras usadas
  • 60 câmeras em cada local
  • 1 câmera a cada 2 km2
  • As câmeras foram instaladas por um mês em cada local
  • Prazo dos dados analisados no artigo: 2008 a 2010
  • Número de locais monitorados hoje: 17

                                                                             ###

Para mais informações e fotos, favor entrar em contato com a assessoria de imprensa da Conservação Internacional (CI)

CI EUA
Patrícia Yakabe Malentaqui
gerente de comunicação
Escritório +1 (703) 341-2471
celular +1 (571) 225-8345
pmalentaqui@conservation.org

CI-Brasil
Gabriela Michelotti
gerente de comunicação
Escritório 61 3226-2491
celular  31 8407-7125
gmichelotti@conservacao.org

 

MEDIA CONTACT INFORMATION
Patricia Yakabe MalentaquiInternal Communications Director2011 Crystal DriveSuite 500Arlington, Virginia 22202pmalentaqui@conservation.org (703) 341-2471
Kim McCabeVice President, News + Publicity2011 Crystal Drive Suite 500 Arlington , Virginia 22202 kmccabe@conservation.org(703) 341-2546
Kevin ConnorMedia Manager2011 Crystal Drive Suite 500Arlington, Virginia 22202kconnor@conservation.org (703) 341-2405
Kelsey RosenbaumMedia Coordinator2011 Crystal Drive, Suite 500Arlington, Virginia 22201krosenbaum@conservation.org(703) 341-2853
RSS Feed